11 de maro de 2018 Centro-Oeste , Brasil

Pirenópolis – Entre a tradição e a natureza

Centro de Pirenópolis - Lojas de artesanato e bares

A cidade de remonta os tempos dos bandeirantes que encontraram ouro na região. Pirinópolis é uma das primeiras povoações do estado de Goiás. Ainda hoje se vê os sinais dessa época de riqueza, pois o local, além da mineração, era referência de agricultura, comércio e produção de algodão. Depois houve desenvolvimento das artes, a começar pela música. Também em Pirenópolis – então Minas de Nossa Senhora do Rosário Meia Ponte – teve início o primeiro jornal do Centro-Oeste, o Matutina Meiapontense.

Tombada pelo Iphan - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -, em 1989, Pirenópolis oferece a seus visitantes um conjunto bem conservado de casas e prédios construídos no Séc. XVIII. As ruas são calçadas com pedras irregulares, o que faz o caminhar pelo centro histórico também uma aventura (recomenda-se o uso de tênis).

Igreja de Nosso Senhor do Bonfim - Construída entre 1750-1754

Entre os atrativos, as igrejas NS do Rosário, NS do Carmo e NS do Bonfim; o Museu das Cavalhadas, Museus do Carmo, a Casa de Câmara e Cadeia (onde está instalado o museu sobre a Festa do Divino Espírito Santo) e da Arte Sacra; lojas de artesanato e os bares e restaurantes na rua do Lazer.

Para se refrescar, ao redor da cidade, na serra dos Pireneus que a cerca, inúmeras cachoeiras. Destaque para cachoeiras do Abade, das Araras, do Carmo e Santa Maria.

As principais festas da cidade são as Cavalhadas. A encenação representa a resistência à invasão moura à Península Ibérica, no século XIII e é apresentada após a Festa do Divino Espírito Santo (ocorre 50 dias após a Páscoa). Esta festa também é tradicional na cidade, que durante o festejo recebe milhares de pessoas.


Autor: José Carlos Sá, Teu Norte
Compartilhar: