24 de agosto de 2018 Aventura , Cultura , História , Passeio

Versalhes: sim ou com certeza?!

Destino: Versalhes: sim ou com certeza?!

 

Muitos aventureiros ao escolher Paris como destino de viagem, esbarram na seguinte dúvida: Devo dar uma esticada até a cidade de Versalhes ou permanecer em Paris já é o suficiente? Pois amigo, eu te respondo sem pensar duas vezes: Siiiim, você precisa ir até lá! E não é necessário ter sido o melhor aluno de história da sua escola para gostar daquele lugar não, viu?! Ele por si só já é um encanto antes mesmo de você chegar ao ponto principal da cidade: O Castelo de Versalhes, conhecido também como o Castelo do Rei Sol.

A cidade fica localizada na região sudoeste da Île de France, cerca de 23 km.

Há várias maneiras de fazer esse trajeto. Pode ser de transfer privativo, trem, taxi e uber. Como boa brasileira que sou, e que não gosta de renegar suas origens, fui de maneira econômica: Trem.

Bem, se tem uma coisa que é fácil de se fazer em Paris é andar de metrô. A cidade possui uma estrutura metroviária sensacional, sem falar que é a segunda mais antiga do mundo, perdendo apenas para Londres que teve sua primeira estação em 1863. O melhor de tudo é que nem precisei gastar meu francês “à là duolingue” para me situar. As informações estavam nas placas e nos imensos painéis distribuídos pelas inúmeras estações de metrô.
A pontualidade é sensacional.

A maioria dos parisienses e turistas se locomovem de um extremo a outro do país por meio de transporte público (trem/metrô).

Como Versalhes não é uma área dentro de Paris, é necessário utilizar a linha RER C (linha amarela) que são trens utilizados para fazer a ligação as “zonas intermunicipais”, digamos assim (mas isso é questão para outro post). Não seria de se estranhar que esses bilhetes também possuíssem valores diferentes: 7,10 euros (ida e volta) em 2016.

Vale lembrar que os bilhetes para utilização no transporte público é coisa sagrada por lá, mesmo que você já tenha usado ele para iniciar seu trajeto diário, guarde-o com toda o cuidado do mundo. Se um guarda resolver te abordar perguntando pelo seu "billet" e você não apresentar a ele, pode esperar uma multa bem generosa. Já li em alguns lugares que eles chegam a cobrar 50 euros. E vai um alerta: Eles não aliviam turistas não! A lei é pra todos!

O trajeto Paris – Versalheses dura em média uns 40 minutos. Você desce na última estação na RER C (Versailles Château). Se você for marinheiro de primeira viagem (como eu) e achar que vai se perder ou que talvez tenha dificuldades em encontrar o Castelo, relaxa, é só seguir a multidão.

Eu vou te apresentar alguns pontos bem bacanas que não farão você sair arrependido dessa esticada de Paris.

Voilà...

 

O Palácio de Versalhes ou Castelo de Versalhes como queiram, é um dos maiores símbolos da Monarquia Absolutista do século XVII, obra majestosa, que ao tempo que trazia charme e elegância à França, era motivo de grandes debates, pois a construção que surgiu a partir da simples casa de caça do então Rei Luís XIII era uma obra bastante onerosa da época e quem pagava o pato? Ou melhor, o Castelo? Os trabalhadores.

Você nem precisa entrar no local para compreender a dimensão dele.

O Castelo possui uma área aproximada de 63 mil km², que corresponde a 15 campos de futebol.

Conta ainda com mais de 2 mil cômodos, 67 escadas, mais de 2 mil janelas e a Galeria de Espelhos que fora criada pelo Luis XIV para “ampliar a luz” ao palácio, pois a iluminação era feita com velas, possui números bastante suntuosos, cerca de 350 espelhos, 1 mil m² de folhas de ouro, 17 janelas com 12 m de altura. Ufaaa! Haja números!!

O passeio é dividido entre o Palácio principal, os jardins maravilhosos e simétricos - distribuídos em seus mais de 43 km de corredores, projetados pelo André le Notre, o Petit Trianon e o domínio de Maria Antonieta (ambos ficam mais afastados do Castelo), sendo aconselhado o uso de um carro de golfe, aluguel de bike, ou havendo mais tempo e disposição, uma leve caminhada de 25 minutos.

Pelos arredores, você ainda encontra várias lojinhas de souvenirs, restaurantes bem aconchegantes, algumas casas que nos lembram da época da Monarquia e uma multidão de turista por todo o canto, pois recebe em média, 8 milhões de visitantes por ano (Fonte: Conexão Paris).

Na dúvida entre ir ou não: Vá!

Depois passa aqui e conta pra gente se valeu a pena.

Abraços da Jam (A Jornalista Viajante).


Autor: Jamile Menezes, Colaborador(a)
Compartilhar: